Doodle celebra The Rainbow Flag: o arco-íris da diversidade

Hoje (02/06), Gilbert Baker completaria 66 anos. Por isso, hoje a Google homenageia o artista e seu símbolo com o Doodle comemorativo. O artista norte-americano foi o criador do símbolo da luta do movimento LGBT:  The Rainbow Flag (a bandeira do arco-íris).

Doodle da Google (02/06/2017)

Continue lendo “Doodle celebra The Rainbow Flag: o arco-íris da diversidade”

São Paulo, sons, peixes e a Semana Santa

Que São Paulo é uma cidade barulhenta, ninguém discute. Há vários sons característicos. Melhor seria dizer ruídos. Hoje são infernais. Mas aqui quero falar de um deles apenas, bem específico. Deixando-me levar por eles, lembrei que nem sempre foi assim. Um dia esses sons já foram regulares e identificáveis, chegando a ser familiares e, hoje, sua lembrança é aconchegante.
Pietro Lorenzetti : l’arrivée du Christ à Jérusalem

Continue lendo “São Paulo, sons, peixes e a Semana Santa”

Maior cartão-postal de São Paulo é criação de uma mulher

Lina Bo Bardi

(Achillina Bo: Roma, 5/12/1914 – São Paulo, 20/03/1992)

Arquiteta mais importante do Brasil no século XX, a ítalo-brasileira se formou em Roma, trabalhou em Milão, e assina marcos fundamentais da cidade de São Paulo. Continue lendo “Maior cartão-postal de São Paulo é criação de uma mulher”

Alice Guy-Blache: conheça a primeira cineasta da história do cinema 

Alice Guy-Blaché (1 de julho de 1873 – 24 de março de 1968) foi a primeira mulher do cinema francês. Continue lendo “Alice Guy-Blache: conheça a primeira cineasta da história do cinema “

Carnaval, carnavais – uma ofegante epidemia

“...uma ofegante epidemia... que se chamava carnaval... o carnaval, o carnaval...”

(Chico Buarque – Vai passar)

“Quem me dera viver pra ver, e brincar outros carnavais... com a beleza dos velhos carnavais... que marchas tão lindas, e o povo cantando seu canto de paz...”

(Vinícius de Moraes e Carlos Lyra – Marcha da quarta-feira de cinzas)

Não quero ser saudosista, mas é inegável que o tempo passa e as coisas mudam. Afinal, já perguntava Mario de Andrade, “Teria mudado o natal, ou mudei eu?”, no conto ‘O Peru de Natal’. Continue lendo “Carnaval, carnavais – uma ofegante epidemia”

Zygmunt Bauman – O sólido desmancha no ar…

 

“Foi uma catástrofe arrastar a classe média à precariedade. O conflito não é mais entre classes, é de cada um com a sociedade”.

Autor de ‘Modernidade Líquida’,  o polonês residente em Londres, um dos críticos mais importantes do ‘ativismo de sofá’, empregava expressões como ‘precariado‘ (precário + proletariado) – uma classe sem consciência de classe, e interessava-se pelos movimentos do século XXI Continue lendo “Zygmunt Bauman – O sólido desmancha no ar…”

Tzvetan Todorov: o estrangeiro em nós

Ser civilizado não significa haver cursado estudo superior ou ter lido muitos livros (...): todos sabemos que certos indivíduos com essas características foram capazes de cometer atos de absoluta barbárie. Ser civilizado significa ser capaz de reconhecer plenamente a humanidade dos outros, ainda que tenham rostos e hábitos diferentes dos nossos”

Trecho do discurso ao receber o Prêmio Príncipe de Astúrias por sua contribuição às Ciências Sociais, em 2008

Janeiro levou Bauman; fevereiro, Todorov.

Ambos, fundamentais no pensamento contemporâneo. Continue lendo “Tzvetan Todorov: o estrangeiro em nós”