O terceiro encontro com o japonês, a surra que não houve, e a fila do transplante

– Aventuras hemodialíticas de um tradutor – 0
7/02/17

Há umas duas semanas uma das pinças do meu cateter de hemoodiálise quebrou. Continue lendo “O terceiro encontro com o japonês, a surra que não houve, e a fila do transplante”

O revisor em ação

– Aventuras hemodialíticas de um tradutor – 24/02/17

A hemodiálise hoje foi tranquila, sem problemas ou intercorrências
. O dialisador retirou os 3,5 kg que tinham que ser retirados, sai da clínica e fui até uma loja de material hospitalar que fica em frente ao hospital para comprar algumas coisas. Continue lendo “O revisor em ação”

Panos e Lendas no Teatro Raposo

PANOS E LENDAS ESTÁ EM CARTAZ NO TEATRO RAPOSO aos DOMINGOS às 14H até 27 de Maio.

Panos e Lendas narra a criação do mundo falando do homem, sob o olhar de dois índios as suas raízes, seus costumes, mostrando o ciclo da vida com ternura e simplicidade. Continue lendo “Panos e Lendas no Teatro Raposo”

Carnaval, carnavais – uma ofegante epidemia

“...uma ofegante epidemia... que se chamava carnaval... o carnaval, o carnaval...”

(Chico Buarque – Vai passar)

“Quem me dera viver pra ver, e brincar outros carnavais... com a beleza dos velhos carnavais... que marchas tão lindas, e o povo cantando seu canto de paz...”

(Vinícius de Moraes e Carlos Lyra – Marcha da quarta-feira de cinzas)

Não quero ser saudosista, mas é inegável que o tempo passa e as coisas mudam. Afinal, já perguntava Mario de Andrade, “Teria mudado o natal, ou mudei eu?”, no conto ‘O Peru de Natal’. Continue lendo “Carnaval, carnavais – uma ofegante epidemia”

Zygmunt Bauman – O sólido desmancha no ar…

 

“Foi uma catástrofe arrastar a classe média à precariedade. O conflito não é mais entre classes, é de cada um com a sociedade”.

Autor de ‘Modernidade Líquida’,  o polonês residente em Londres, um dos críticos mais importantes do ‘ativismo de sofá’, empregava expressões como ‘precariado‘ (precário + proletariado) – uma classe sem consciência de classe, e interessava-se pelos movimentos do século XXI Continue lendo “Zygmunt Bauman – O sólido desmancha no ar…”

Tzvetan Todorov: o estrangeiro em nós

Ser civilizado não significa haver cursado estudo superior ou ter lido muitos livros (...): todos sabemos que certos indivíduos com essas características foram capazes de cometer atos de absoluta barbárie. Ser civilizado significa ser capaz de reconhecer plenamente a humanidade dos outros, ainda que tenham rostos e hábitos diferentes dos nossos”

Trecho do discurso ao receber o Prêmio Príncipe de Astúrias por sua contribuição às Ciências Sociais, em 2008

Janeiro levou Bauman; fevereiro, Todorov.

Ambos, fundamentais no pensamento contemporâneo. Continue lendo “Tzvetan Todorov: o estrangeiro em nós”

Close Connection – “Pardon, je ne parle pas Français”

I am a 30-years-old Brazilian woman who loves children, books and of course languages! I live in Copenhagen with my husband and my son. Besides translating and interpreting, I teach anthropology at the university.

I remember my first trip to Paris… Continue lendo “Close Connection – “Pardon, je ne parle pas Français””

Casa de diarista em SP ganha prêmio internacional de Arquitetura

foto: Pedro Kok  
Casa também foi condecorada com o Prêmio de Arquitetura Instituto Tomie Ohtake AkzoNobe

Parcerias bem realizadas dão gosto de admirar! E dão prêmios também!

Recentemente, a casa de Dalvina Borges Ramos foi condecorada com o Prêmio de Arquitetura Instituto Tomie Ohtake AkzoNobel 2016. Continue lendo “Casa de diarista em SP ganha prêmio internacional de Arquitetura”