Nanotecnologia – aliada da Medicina

O conceito surgiu quando o físico Richard Feynman fez a primeira explanação técnica em 1959, na reunião anual da “Sociedade Americana de Física” no “California Institute of Technology” (Caltech). Mas a nanotecnologia está mais presente em nossa vida do que supomos, sobretudo a partir dos anos 80. Em 1986, Eric Drexler publicou Engines of Creation (Máquinas da Criação, em tradução livre).

“A tinta nanquim usava nanopartículas de carbono, vulgo, fuligem.”, afirmou ao portal iG o professor João Zuffo, da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, criador do Laboratório de Sistemas Integrados (LSI), e integrante vitalício da IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers) – maior organização do mundo dedicada ao avanço da tecnologia a serviço da humanidade. E supõe-se que a tinta já era conhecida pelos chineses há pelo menos 2000 anos.

imagem extraída de Meteoweb

Tecidos, cosméticos, equipamentos eletrônicos e peças automotivas, brinquedos, indústria química e de alimentos, agricultura… já há mais de 800 produtos que se utilizam da técnica. A EMBRAPA assinou em 05/01 cooperação técnica com foco em tecnologia verde com a TecSinapse.

Na Medicina, os usos atuais e as possibilidades futuras representam um enorme avanço: remédios mais eficazes e com efeitos colaterais reduzidos, diagnósticos mais precisos, prevenção de doenças mais eficaz.

O inventor Raymond Kurzweil é um dos maiores entusiastas da área. Segundo o Singularity Hub, em The Singularity Is Near (2005) ele escreveu que a poderosa convergência da nanotecnologia com a genética e a robótica definirá nosso futuro.

Em 2012, o Prof. Dr. Valtencir Zucolotto criou o GNano: grupo de pesquisas do Instituto de Física de São Carlos (USP), um dos pioneiros no Brasil no desenvolvimento desses nanomateriais, além de ser um dos poucos no mundo que trabalham com as diversas áreas da nanotecnologia, incluindo a concepção e caracterização de nanopartículas, uma combinação desses materiais com moléculas, anticorpos, proteínas e enzimas, além da aplicação desses compostos em medicina, especialmente no diagnóstico e tratamento do câncer, bem como em doenças infecciosas e cardiovasculares. Pertencente à NANoREG (A common European approach to the regulatory testing of Manufactured Nanomaterials), o grupo é composto por físicos, biólogos, biotecnólogos, químicos, engenheiros, farmacêuticos, biomédicos e médicos, e tem se destacado pelas suas pesquisas na área de Nanotoxicologia.

imagem extraída de Bioblogia

Em novembro último, São Paulo sediou o 30. Congresso Brasileiro de Medicina Nuclear.

Em janeiro, Singapura: International Conference on Materials Engineering and Nano Sciences.

Para 2017, ainda há chamada para eventos importantes na área. Acompanhe:

Dubai, Emirados Árabes (09 e 10/02): 6th International Conference on Nanotechnology (ICN2017)

Japão (15 a 17/02): 15th International Symposium on Nanotechnology (JAPAN NANO 2017) – Nanotechnology for Realizing Super Smart Society

Portugal (06 a 10/03):           5th International Conference on Multifunctional, Hybrid and Nanomaterials

Pittsburgh, USA (25 a 28/07): The 17th IEEE International Conference on Nanotechnology (IEEE NANO 2017)

Mais em: IEEE Nanotechnology Council Advancing Nanotech for Humanity

Para conferir algumas apostas na área: Top produtos de nanotecnologia

Para saber mais: cronologia de fatos importantes na história da nanotecnologia, sua observação na natureza, obtenção intencional de nanoestruturas, visite o Admirável Mundo Nano de Marly Maldaner Jacobi, do Instituto de Química da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, para a Sociedad Latinoamericana de Tecnología del Caucho.

 

 

Like

Deixe uma resposta