Tzvetan Todorov: o estrangeiro em nós

Ser civilizado não significa haver cursado estudo superior ou ter lido muitos livros (...): todos sabemos que certos indivíduos com essas características foram capazes de cometer atos de absoluta barbárie. Ser civilizado significa ser capaz de reconhecer plenamente a humanidade dos outros, ainda que tenham rostos e hábitos diferentes dos nossos”

Trecho do discurso ao receber o Prêmio Príncipe de Astúrias por sua contribuição às Ciências Sociais, em 2008

Janeiro levou Bauman; fevereiro, Todorov.

Ambos, fundamentais no pensamento contemporâneo. Continue lendo “Tzvetan Todorov: o estrangeiro em nós”